• Leia mais notícias de TECNOLOGIA
Inteligência artificial já realiza tarefas comuns nos escritórios
Adicionada: 06/08/2018
 



Software ajuda na contabilidade, faturamento, pagamentos e até no atendimento ao cliente



Não faltam previsões sobre como a inteligência artificial, da sigla em inglês A.I., vai remodelar onde, como e se as pessoas trabalham no futuro. Mas os grandes projetos de mudança de trabalho da A.I., como carros autônomos e robôs humanoides ainda não são produtos comerciais. Ao contrário disso, uma versão mais humilde da tecnologia está fazendo com que sua presença seja sentida em um lugar menos glamouroso: o back office, departamento que não tem contato direto com clientes.

 

O novo software está automatizando as tarefas comuns do escritório em operações como contabilidade, faturamento, pagamentos e atendimento ao cliente. Os programas podem digitalizar documentos, inserir números em planilhas, verificar a exatidão dos registros do cliente e efetuar pagamentos com algumas teclas digitadas no computador.

 

A tecnologia ainda está em fase embrionária, mas vai melhorar, se aperfeiçoando com o tempo. Até agora, a inteligência artificial está em muitas das vezes em projetos-piloto focados em tarefas domésticas, libertando as pessoas de trabalhos penosos e não só eliminando empregos.

 

Os computadores estão principalmente observando, seguindo regras simples e tomando decisões do tipo "sim ou não", sem fazer escolhas de alto nível que exijam julgamento e experiência. "Esta é a forma menos inteligente de A.I", disse Thomas Davenport, professor de tecnologia da informação e administração da Babson College.

 

Mas os sinais apontam que tem muito mais por vir pela frente. Grandes empresas de tecnologia como IBM, Oracle e Microsoft estão começando a entrar no negócio, muitas vezes em parceria com start-ups de automação robótica. Duas das principais start-ups, a UiPath e Automation Anywhere já estão avaliadas em mais de US $ 1 bilhão. De acordo com uma previsão, o mercado para o software robótico quase triplicará até 2021.

 

“Este é o começo de uma onda das tecnologias da inteligência artificial que proliferarão em toda a economia na próxima década”, disse Rich Wong, sócio geral da Accel, uma empresa de capital de risco do Vale do Silício, e investidor da UiPath.

 

Quase 60% das empresas com mais de US $ 1 bilhão em receita têm programas-piloto em andamento usando automação robótica, de acordo com pesquisa da consultoria McKinsey & Company. As empresas e agências governamentais que começaram a alistar o software de automação variam. Eles incluem a General Motors, a BMW, a General Electric, a Unilever, a Mastercard, a Manpower, a FedEx, a Cisco, o Google, o Departamento de Defesa americano e a NASA.

 

A State Auto Insurance Companies, em Columbus, Ohio, iniciou seu primeiro projeto-piloto de automação há dois anos. Hoje, possui 30 programas de software que cuidam de tarefas de back-office, com uma economia estimada de 25 mil horas de trabalho humano — ou o equivalente a cerca de uma dúzia de trabalhadores em tempo integral — em uma base anual, assumindo um ano de trabalho padrão de 2 mil horas.

 

Holly Uhl, gerente de tecnologia que lidera o programa de automação, estimou que dentro de dois anos a população de robôs da empresa dobraria para 60 e suas horas economizadas talvez triplicariam para 75 mil. Segundo o gerente, cortar empregos não é o plano. A meta para a empresa é aumentar a produtividade e a receita da State Auto.

 

No caminho atual do State Auto, sua confiança parece justificada. Se a empresa atingir sua meta de 75 mil horas de economia até 2020, isso equivaleria a menos de 40 trabalhadores em tempo integral, em comparação à força de trabalho de 1.900 da State Auto. A empresa planeja crescer nos próximos dois anos. Nesse caso, a State Auto provavelmente contrataria algumas dezenas de pessoas a menos.

 

"A visão de longo prazo é ter um robô para cada funcionário", disse Bobby Patrick, diretor de mercado da UiPath. A empresa, sediada em Nova York, informou recentemente que sua receita mais que triplicou no primeiro semestre de 2018, para uma taxa anual de mais de US $ 100 milhões. Mihir Shukla, executivo-chefe da Automation Anywhere, se refere aos robôs de sua empresa como “colegas digitais”.

 

O mercado de automação de software aprimorada para A.I. está pronto para um rápido crescimento, mas essa expansão, dizem os analistas, acabará por trazer perdas de empregos. A Forrester Research estimou que a receita quase triplicaria para US $ 2,9 bilhões nos próximos três anos. A Forrester previu que até 2021, a tecnologia de automação robótica substituirá o equivalente a quase 4.3 milhões de profissionais em todo o mundo.

 

Em um mercado de trabalho global dinâmico, essa previsão não deixa clara que ocorrerão 4,3 milhões de demissões. Os sistemas podem fazer umtrabalhos que não eram feitos anteriormente por humanos, e as pessoas podem passar para outros empregos.

 

A pesquisa recente examinou os empregos como pacotes de tarefas, alguns dos quais parecem prontos para serem substituídos e outros não. Assim, o impacto imediato da tecnologia se assemelhará à experiência até o momento com software robótico, mudando o trabalho mais do que destruindo empregos.



Fonte: Agência O Globo | Foto: Thinkstock
 

Versão para impressãoVersão para impressão
 


-----...*As opiniões expressas nos comentários não condizem, necessariamente, com a opinião do grupo editorial do "Portal TiviNet" e estes são de responsabilidade de seus idealizadores.