• Leia mais notícias de ECONOMIA E TRABALHO
No 1º pregão do governo Bolsonaro, bolsa bate recorde histórico
Adicionada: 02/01/2019
 



O dólar comercial acompanhou o movimento otimista do mercado e fechou o dia cotado a 3,809 reais



O primeiro pregão do governo Jair Bolsonaro foi marcado pelo otimismo do mercado. O Ibovespa, índice de referência do mercado acionário brasileiro, fechou o dia com máxima histórica, acima dos 91 mil pontos pela primeira vez, em meio a perspectivas favoráveis para a economia brasileira em 2019 e para o novo governo do país.

 

Índice subiu 3,7%, a 91.134,91 pontos nesta quarta-feira, 2. No melhor momento do dia, alcançou 91.478,84 pontos, também maior nível já registrado durante um pregão. A máxima anterior era de 89 mil pontos, alcançada em 3 de dezembro do ano passado

 

O volume financeiro na sessão somava 15,85 bilhões de reais.

 

Segundo analistas econômicos, o movimento está ligado relacionado com o discurso de posse de Bolsonaro na Presidência da República e a fala do ministro da Economia, Paulo Guedes, que falou sobre medidas de ajuste fiscal, definindo a reforma da Previdência como meta.

 

O dólar comercial fechou o dia em forte queda, cotado a 3,809 reais.  O Ibovespa fechou o dia em alta de 3,56%, chegando aos 91.012 pontos. 

 

“O mercado vai reagir pontualmente sempre que alguém (do novo governo) fizer declarações”, disse o operador de câmbio da Necton Corretora, José Carlos Amado.

 

Nesta quarta-feira, houve a transmissão de cargos para diversos ministros do governo Bolsonaro, sendo o ponto alto a cerimônia de Paulo Guedes, novo ministro da Economia, à tarde.

 

Em seu discurso, ele disse que o governo vai encaminhar ao Congresso uma proposta de reforma da Constituição para acabar com todas as vinculações e indexações de gastos, caso a reforma da Previdência não seja aprovada.

 

“Previdência é primeiro e maior desafio a ser enfrentado. Se for bem-sucedido, temos 10 anos de crescimento pela frente. Se não for, temos sugestões também.”

 

Agradou ao mercado ainda a declaração do presidente do PSL e deputado federal eleito, Luciano Bivar (PE), de que o partido -o mesmo do presidente Jair Bolsonaro – decidiu apoiar a reeleição do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em troca de respaldo à agenda de campanha do novo presidente no Congresso e avalizar para integrantes do partido comando de comissões estratégicas, como a de Constituição e Justiça (CCJ).

 

Um gestor de derivativos de uma corretora local comentou que alguns investidores também se desfizeram de posições defensivas montadas em dezembro, o que ajudou na queda da moeda.

 

No começo do dia, o dólar chegou a operar em alta ante o real sob influência do mercado internacional, onde o dólar avançava ante uma cesta de moedas e ante divisas de países emergentes, como o peso chileno a lira turca em dia de renovadas preocupações com o crescimento global após dados mais fracos sobre a economia chinesa.

 

A atividade industrial da China contraiu pela primeira vez em 19 meses em dezembro uma vez que as encomendas de exportação e domésticas continuaram a enfraquecer, mostrou a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) do Caixin/Markit.

 

A leitura acompanha a pesquisa oficial divulgada na segunda-feira que mostrou crescentes apertos no setor industrial da China, importante fonte de empregos, e reforça a visão de que a economia está perdendo mais força.

 

Também na Europa a indústria expandiu apenas ligeiramente em dezembro, reforçando a percepção de desaceleração econômica global.

 

(Com Reuters)



Fonte: Veja - Foto: Wikimedia Commons/Reprodução
 

Versão para impressãoVersão para impressão
 


-----...*As opiniões expressas nos comentários não condizem, necessariamente, com a opinião do grupo editorial do "Portal TiviNet" e estes são de responsabilidade de seus idealizadores.